A Trilha Gold Capital está se preparando para abertura de uma mina no município de Serrita, estado de Pernambuco, numa área de 2 mil hectares, que conta com uma reserva estimada em 1,5 milhão de onças de ouro e com potencial para mais 3,5 milhões de onças, incluindo outras áreas que a empresa possui na região Ainda em 2021 a Trilha Gold vai colocar em operação uma planta experimental, com investimentos previstos de US$ 3 milhões e em seguida uma planta piloto, que vai produzir a uma capacidade de 100 tmhora, que pode chegar a uma produção de 50 mil onças ano O investimento nesta etapa deverá ser de US$ 10 milhões Durante o período de cinco anos de produção, a empresa pretende pesquisar as outras áreas na região, onde acredita poder elevar suas reservas para até 5 milhões de onças e atingir uma capacidade de produção de até 200 mil onças por ano.

A Kinross pretende manter sua capacidade de produção de ouro em mais de 600 mil onças anuais, entre 2021 e 2023, através de melhorias na produção, reprocessamento de rejeitos e lavra de minério com teores mais altos na parte ocidental do pit em Paracatu, no estado de Minas Gerais, onde a empresa mantém uma das maiores operações mundiais para produção de ouro Embora em 2020 a produção em 2021 Paracatu que responde por cerca de 25% da produção de ouro da Kinross, que totalizou 24 milhões de onças em 2020 tenha caído um pouco em relação ao recorde de 619 mil onças de 2019, os custos de produção foram mantidos Além disso, a otimização do plano de mineração possibilitou que fossem adicionadas 911 mil onças de ouro s estimativas de reservas, estendendo a vida útil da mina em um ano, até 2032 A Kinross acredita que a lavra de minério de maior teor e as melhorias no esquema de produção devem resultar em ampliação da vida útil da mina em pelo menos mais quatro anos A empresa projeta investimentos de US$ 900 milhões em 2021, valor um pouco abaixo dos US$ 916 milhões investidos em 2020 Apesar da redução nos investimentos globais, o valor destinado a Paracatu deve aumentar, devido aquisição de equipamentos Boa parte dos US$ 270 milhões de sustaining capital previsto para as Américas em 2021, serão destinados a Paracatu US$ 70 milhões serão para desenvolvimento de mina, US$ 75 milhões para equipamentos móveis, US$ 40 milhões para instalações de rejeito, US$ 25 milhões para instalações de moagem e US$ 30 milhões para instalações de lixiviação.

MINÉRIO DE FERRO E MANGANÊS

O minério de ferro, do qual o Brasil é o segundo maior produtor mundial, atrás da Austrália, continua atraindo investimentos em novos projetos e aumento de capacidade, já que os preços se mantêm em níveis bastante remuneradores e não há sinais no sentido de que a demanda possa se reduzir em curto prazo.

A Vale, que busca recuperar sua posição de maior produtor mundial de minério de ferro, está empenhada em alcançar a capacidade de 400 milhões tanto em 2022, o que significa adicionar quase 100 milhões t ao volume que ela produziu em 2020 Desse volume, 230 milhões t seriam obtidos no Sistema Norte Carajás 101 milhões t no Sistema Sudeste, 67 milhões t no Sistema Sul e 2 milhões t no Sistema Centro-Oeste No Sistema Norte haverá um adicional de 24 milhões t, proporcionado por ramp up e abertura de novas frentes de lavra projeto Gelado e aumento de 10 milhões t de capacidade no S11D No Sistema Sudeste haverá adição de capacidade de produção em Timbopeba + 7Mt, retorno de capacidade em Brucutu + 17 Mt e aumento de capacidade em Itabira +24Mt, enquanto no Sistema Sul haverá aumento de produção nas minas de Fábrica +6 Mt e Vargem Grande +9 Mt Faz parte também do plano de aumento de capacidade da empresa o projeto  Capanema, que tem um Capex de US$ 495 milhões e adicionará 18 milhões, capacidade de produção da Vale.

A CSN Mineração anunciou ao mercado a implementação de um ambicioso plano de expansão que deverá permitir o aumento gradativo de sua capacidade de produção de minério de ferro para 108 milhões de toneladas/ano até 2032 e para o qual estão previstos investimentos totais da ordem de R$ 31 bilhões A empresa afirma que detém cerca de 8 bilhões de reservas, que são mais do que suficientes para atender aos seus planos pelos próximos 100 anos Um ponto forte desse plano de expansão é que não depende de barragens de rejeitos.

O plano de expansão envolve basicamente quatro projetos 1 Expansão da Planta Central, acrescentando 6 milhões t ano capacidade de produção de pellet feed, com investimento de R$ 1,2 bilhão ao longo de três anos 2 Recuperação de rejeitos das barragens de Pires e Casa de Pedra, o que permitirá a recuperação de 180 milhões t de rejeitos, acrescentando 8 milhões t anuais capacidade de produção atual, com investimentos de R$ 1,1 bilhão ao longo de cinco anos 3 Projetos de Itabirito, com instalação de novas plantas ou expansão de plantas atuais, para produção de pellet feed premium com baixo grau de impurezas de operação em pequena escala e alto teor de ferro inclusive pellet feed de redução direta 4 Expansão do Tecar Terminal de Cargas, a fim de suportar as expansões na mina o acréscimo de capacidade será feito de forma escalonada 60, 84 e 130 milhões t ano, com investimento de R$ 6,3 bilhões a serem desembolsados ao longo de oito anos.

A Anglo American Minério de Ferro Brasil está investindo entre US$ 25 e US$ 30 milhões em tecnologias que possibilitem o aproveitamento do minério de ferro contido nos rejeitos do beneficiamento, que podem e que podem acrescentar 700 a 800 mil toneladas/ano na produção do sistema Minas-Rio, que atualmente caminha para alcançar sua capacidade nominal de 26,5 milhões de toneladas/ano Trata-se de uma tecnologia para realizar a separação magnética dos finos A expectativa é que a unidade esteja implantada até o final de 2021, de forma que possa iniciar operação já em 2022.
Além de possibilitar o aumento na recuperação de minério, a tecnologia contribui para reduzir a quantidade de rejeitos que é enviada para deposição.
A Bamin Bahia Mineração, empresa controlada pelo Eurasian Resources Group ERG, começou, a partir agosto de 2020, a produzir minério na mina Pedra de Ferro, localizada no município baiano de Caetité A produção foi iniciada ainda em pequena escala, em torno de 800 mil toneladas/ano, porque o projeto em grande escala depende ainda da infraestrutura logística, principalmente a ferrovia a Fiol, que foi assumida pela empresa este ano em leilão realizado pelo governo A Bamin se responsabiliza pela conclusão da implantação e pela operação da ferrovia.
O projeto Pedra de Ferro conta com uma reserva de 561,5 milhões de toneladas, das quais 181 milhões de toneladas são de hematita e o restante de itabirito A reserva atual de hematita dá para 13 anos de operação, mas considerando-se o itabirito a vida útil do projeto Pedra de Ferro é de 30 anos, podendo ser ampliada, já que a empresa vai continuar realizando pesquisas geológicas que aportarão novos recursos e reservas Trata-se de um projeto integrado mina-ferrovia-porto Até agora, a Bamin já investiu no projeto Pedra de Ferro cerca de R$ 1,8 bilhão e ainda existem investimentos adicionais previstos de cerca de R$ 10 bilhões, considerando-se a mina, o porto no qual a Bamin tem participação e a Fio.

A SAM Sulamericana de Metais, controlada pelo grupo chinês Honbridge, aguarda apenas a liberação da Licença Prévia LP para dar início aos trabalhos de engenharia do Projeto Bloco 8, um dos maiores empreendimentos para produção de minério de ferro a ser implantado no estado de Minas Gerais e que quebra dois paradigmas abre uma nova fronteira na produção de minério de ferro no território mineiro, hoje concentrada na região do Quadrilátero Ferrífero e viabiliza o aproveitamento de minério de baixo teor, até então considerado quase como rejeito O projeto está localizado nos municípios mineiros de Grão Mogol, Padre Carvalho, Fruta de Leite e Josenópoles, no norte de Minas Gerais Quando em operação, o projeto Bloco 8 deverá produzir a uma escala de 27,5 milhões de toneladas de pellet feed com 66,2% Fe, o que é considerado um produto de alta 40 qualidade, partindo de um minério com teor médio de 20% Fe Para colocar o projeto em operação, a SAM deve investir, só dentro do estado de Minas Gerais, US$ 2,1 bilhões Até agora já foram investidos US$ 74 milhões em pesquisas, testes e estudos.

Em manganês, a Buritirama Mineração, controlada pelo grupo Buritipar, inaugurou, em novembro de 2020, uma Planta de Sinterização de seu projeto de manganês em Marabá, no estado do Pará A unidade recebeu investimentos de R$ 130 milhões e a companhia acredita que a planta irá agregar valor ao minério e aumentar em 150 mil toneladas sua capacidade operacional A nova fábrica da Buritirama reaproveitará os rejeitos da barragem, transformando-os em produto útil para a indústria e de alto valor agregado O incremento da produção com essa a recuperação metalúrgica dos rejeitos propiciou empresa a geração de 150 postos de trabalho, aumentando a força de trabalho da Buritirama para mais de 3500 empregos diretos e indiretos Com o projeto, a empresa abrirá portas em novos mercados e fortalece sua posição como uma referência no fornecimento de matérias-primas Também em 2020 a Buritirama tornou-se a primeira mineradora no Brasil a implantar um sistema de geração de energia fotovoltaica para abastecer 100% sua operação, em parceria com a fabricante de baterias Tesla A unidade deverá estar pronta em meados de 2021.

O artigo foi publicado na Edição de Julho/2021 (Edção especial) da Revista Brasil Mineral.
O revista pode ser acessada através desse link:
https://www.brasilmineral.com.br/revista/411/