Em todo o mundo, mineradoras estão reduzindo o uso de barragens, o que significa a diminuição de milhões de toneladas de rejeitos de mineração e um menor risco ao meio ambiente. No Brasil não é diferente. Recentemente, a Agência Nacional de Mineração (ANM) interditou 45 barragens que usavam o chamado método de montante — no qual a barreira de contenção recebe camadas do próprio material do rejeito da mineração.

Em todo o mundo, mineradoras estão reduzindo o uso de barragens.

A fim de evitar danos ambientais, a Trilha Gold Capital acredita em uma mineração sem barragens. Uma mineração com beneficiamento a seco, que evite o desperdício de água e que tenha o meio ambiente e a proteção às comunidades como maiores prioridades. Esse é o nosso compromisso com as matas e com o solo, de onde extraímos nossos minérios. Porque a riqueza de verdade é proteger aquilo que é de todos nós.

A mineração a seco elimina o uso de produtos químicos como o mercúrio e cianeto, o que evita uma possível poluição do solo, e dispensa a criação de barragem, porque não produz rejeitos terrosos. Esse processo visa, também, uma economia hídrica, onde a extração de uma tonelada de ouro chega a utilizar cerca de 500 litros de água, conforme a média do setor.